sexta-feira, 22 de junho de 2012

O que muitos não querem entender...













O MMA é uma luta? Uma arte marcial? Um espetáculo? Os três, eu diria. Ser uma luta e/ou uma arte marcial, até aí, tudo bem. O problema é o espetáculo. Até não seria problema se não fosse feito da maneira medíocre e massiva que é. O MMA na televisão é a versão masculina para aqueles reality-shows femininos de top models, onde o culto ao corpo e o reforço ao gênero ou sexo humanos como um determinante, um reducionismo, constitui uma ‘verdade’ - tipo: ‘é simples, é isso!’. Não, não é tão simples assim. Mas não vou fazer aqui o papel de sabichão determinista ou reducionista como faz a ideologia que está por detrás de todo este espetáculo – ou vocês acham que tudo é apenas entretenimento, lazer? – ao invés de responder, já que não estou pra isso, vou provocar questões ou problematizações - então pergunto: ‘O que é ser homem?’ e ‘o que é ser mulher?’. O que caracteriza cada qual além do sexo (do biológico)? No programa da rede globo ‘UFC: Ultimate Fighter Brasil’, um Big Brother de lutadores de MMA, a reprodução de valores ‘masculinos’, como o machismo (a exaltação do papel do masculino como superior sobre o feminino - ou o enrustido disso tudo), é descarada, claro, para os que a percebem. Como já havia dito e não me canso de repetir, apesar de alguns não quererem entender e continuarem me enchendo o saco por isso, não tenho nada contra (mas nem a favor) ao dito MMA. A questão é outra. E isso já deveria estar mais do que claro. Além da massificação e dos espaços midiáticos, que, diga-se de passagem, funcionam com concessão do Estado, ou seja, permissão a partir de um acordo com fins de ‘diversidade’ cultural e educativa na televisão, contando que esse ‘instrumento’ é um forte ‘educador’, ‘formador’ de opinião e reprodutor de concepções, além de poder também ser, um instrumento de acesso cultural-intelectual, essa massificação diz sim respeito a todos. E nisso, todos os que estão em dia com suas consciências ou acordados para isso, são no mínimo cúmplices dessa realidade. Esperar que algo divino aconteça e mude isso, ou se posicionar de modo que faça parecer que estar fora ou longe disso é uma resistência, não passa de pretexto. Quem sabe uma covardia ou, em últimos casos, comodidade, pois quem foge aos posicionamentos já está tomando uma posição e, como todos os outros, está na ‘dança’. Em se tratando de ‘disputa’, até seria algo interessante e fundamental para o ‘crescimento’ humano. Mas, disputa enquanto potência (vontade de potência), ou seja, superação de si mesmo e não concorrência individualista almejando uma suposta superioridade humana e os ouros das ‘vitórias’. Do modo que é concebido esse ‘espetáculo’, não faz mais do que reproduzir e somar na manutenção de um sistema, onde a diversão toma caráter ideológico de status social e serve de alimento a valores medíocres.

Herman G. Silvani

                                                             Jornal Folha do Bairro - Edição: 22/06/2012



18 comentários:

Marcos disse...

falo muita bobagem

Felipe Dias disse...

cara tu nunca pratico nenhuma arte marcial, nao sabe oque ta falando...
pratique uma por 1 mes, volte aqui, leia oq escreveu...
vc vai sentir vergonha

José Henrique Prado disse...

lamentável ter que ler isso aí

Herman ou Niko disse...

aos 'apaixonados'.. devem reler o texto mais atentamente.. já é uma repetição.. e o farei novamente: 'não tenho nada com a luta ou esporte'.. a questão é a MANEIRA como ele é propagado nos MEIOS.. entendem isso?? parece que não.. mas.. o pensamento também deve ser exercitado, além do físico.. não vejo nada demais em tecer certa 'crítica' a esse 'espetáculo' midiático.. ou não é isso? hã?! e pro governo alheio, já fui praticante sim de artes marciais por algum tempo (mais de 1 ano, diga-se de passagem), mas que não vem ao caso agora.. aliás, a originária (mais antiga), o Kung-Fu.. e conheço outras.. por isso me permito tecer considerações a respeito (além de ser cronista aqui neste espaço e em outros).. enfim.. a paixão, assim como o ego, devem vir acompanhados de certa criticidade e serenidade, principio básico de qualquer 'arte' (incluímos aqui a marcial).. lamentável? talvez seja não compreeder isso.. pratiquemos também o conhecimento, as reflexões em torno disso, para que a 'efemeridade' não predomine sobre a 'arte'.. como acontece muito por aí.. enfim.. não há fim.

Herman ou Niko disse...

quem sabe, outro 'falando', que não seja eu, a coisa fique um pouco mais 'clara': "Mas, ao mesmo tempo, a mecanização adquiriu tanto poder sobre o homem em seu tempo de lazer e sobre sua felicidade, determinado integralmente pela fabricação dos produtos de divertimento, que ele apenas pode captar as cópias e as reproduções do próprio processo de trabalho. O pretenso conteúdo é só uma pálida fachada; aquilo que se imprime é a sucessão automática de operações reguladas. (...) O espectador não deve trabalhar com a própria cabeça; o produto prescreve qualquer reação; (...) Toda conexão lógica que exija alento intelectual é escrupulosamente evitada.”

(Teixeira Coelho – ‘O que é indústria cultural’).

André disse...

você tem fala do machismo mas tem pensamentos feministas. O sujo falando do mal lavado

André corrigindo o erro acima disse...

você fala do machismo mas tem pensamentos feministas. O sujo falando do mal lavado******

Paulo Ferrera disse...

apenas respeite o esporte.
critique oque você conhece, seus filosofos, seus livros, mas não oque nunca praticou.

"No Brasil temos um ditado, quem respeita não perde os dentes"
(Wanderley Silva, o rei do Pride)

Augusto disse...

é engraçado que essas pessoas que se julgam grandes pensadoras e que pensam que tem uma mente muito aberta, na verdade, são cheias de pré-conceito....

Herman ou Niko (denovo) disse...

pré-conceito? tá bem.. se convença que é disso que se trata que eu finjo também, ok? ou reveja seu conceito de 'pré-conceito'.. e quem disse que sou 'grande pensador'? de onde tirou - ou onde leu isso? o depoimento do Sr. Paulo Ferreira me pareceu um pouco ameaçador.. ou com fins de intimidação.. nada coerente com a prática da arte marcial, onde se pratica a cautela, a inteligência, o pensamento.. e não a apelação a resoluções meramente físicas.. mas.. tempos 'modernos' (e de distorções), fazer o q?! tá aí a prova de que o 'espetáculo' e a efemeridade, em muitos casos (e infelizmente), superam a 'arte' (ou o discurso em torno dela).. parece que por parte de alguns, é bem difícil compreender a situação, sendo que a questão não é a 'luta' ou 'esporte' em sim, mas o gira em torno dele.. (denovo tendo que repetir? putz!).. não é o primeiro nem será o último a ter essa 'atitude' apelativa de intimidação.. pena! que tipo de bom senso e 'democracia' vivem alguns? e depois não querem que a crítica sobre o 'espetáculo' do qual discursam a favor aconteça.. aqui é um espaço de crônica, e devem saber o que é isso, não? pois bem.. vamos aos argumentos! mas.. cadê?? 'feminismo'? fala da corrente politica que tem como mote a 'libertação feminina'? conheço este.. mas não vejo ele aplicado aqui.. enfim.. se lutar, praticar determinado esporte não anda contribuindo 'intelectualmente', me perdoem, não posso fazer nada a respeito.. aqui, como já deveria estar claro, é um espaço crônico, de análises, literatura, crônica socio-cultural e não de socos e ponta-pés, nem de tentativas de ameaças.. quando não se há argumento, pois a questão não é mesmo a 'luta' em si, fica meio desproporcional o diálogo-debate.. e a ignorância não é a palavra final, aliás, é só uma palavra, nada mais.. enfim.. desculpem se toquei em algo que pensam 'intocável', mas.. enquanto isso, muitos dos ícones, a grande mídia, os patrocinadores e todos os que se empanturram desse 'jogo', enchem os bolsos por aí.. se não percebem isso, ou não consideram, o problema é outro, e não é meu, diga-se de passagem.. bem, vamos ao trabalho..

Herman ou Niko, o próprio disse...

triste e medíocre 'realidade' (?):
"No Brasil temos um ditado, quem respeita não perde os dentes"
(Wanderley Silva, o rei do Pride).. putz! ainda bem, que nem TODOS no Brasil pensam assim..

Aline Cipriano disse...

Pior Herman, citar uma idiotice dessas do Wanderley Silva como se fosse motivo de orgulho. Isso sim é lastimável. Muito músculo para pouco cérebro. E ainda querem discutir, tá louco!

Rafael ogro disse...

Herman vai arrumar uma buceta pra vc comer e para de falar bosta.
Se não gosta, não critica #ficaadica

Rermann disse...

velho.. se não te agrada, contra-argumente.. não venha com fugas ou ignorância... em que mundo você(s) vivem? agora não posso escrever.. pensar?? que tipo de 'democráticos', 'livres' ou sei o que lá você(s) se acha(m)? buceta? hahah! não vou nem responder.. mesquinharia é foda! enfim.. tem um blogue bom pra leram.. e não é este.. ok?! não está a nível.. compreendes?? se não entendem que a questão não é.. bem.. se não entendem o que já está mais do que claro.. imagina!! gosto?? tão simples assim?? putz! enfim... me pagam o valor que o jornal paga para minhas crônicas que paro de escrever.. então.. qual vai ser?? ish!!

Unknown disse...

Caro Herman esperava mais lucidez de teus comentários, sinceramente esperava mais.
Concordo contigo sobre o que disse a respeito do reality show UFC Brasil, da forma como foi demonstrado se assemelhou e muito com o programa Big Brother, mas em teu comentário (muito infeliz diga-se por passagem) confundisse totalmente o esporte com um programa de televisão, e isso meu caro é uma grande falha (uma cagada para ser mais preciso).
Falando um pouco mais sobre a semelhança com o outro reality show, não vejo qual é o problema. Caras que convivem, que lutam, que tem atritos comuns, cotidianos ... Machismo? Não tenho certeza disso, uma pessoa treinar, se esforçar para ficar mais "forte", obter táticas para vencer seu oponente psicologicamente e fisicamente é interessante. Passar isso em um programa deve ser muito rentável e muitas pessoas esperam ver um programa que demonstre isso - pessoas que testam sua forma, sua garra, seu treinamento, seus esforços para vencer de alguma forma.
Mídia massiva? Mídia preocupada com o lucro? Com manipular o povo? Tu só pode tá de brincadeira ... Diga algo de novo aos leitores meu querido, por favor!!!
A mídia sempre se dispos a isso,
mas vai do que você fará com as informações. Podemos aplicar o mesmo em seu texto (hehe !) Se não pensarmos por nós mesmos será assim de qualquer forma, mesmo em uma conversa pessoal.

Herman disse...

opa! alguém que me diz infeliz no(s) comentário(s) e que pelo jeito gosta de MMA e é 'educado'.. legal! nem tudo está perdido para esse 'esporte'.. concordo com muito do que comentaste Unknown.. porém, o objetivo da crônica é este.. suscitar debates.. dar o 'outro lado' da 'história'.. o que muitos, movidos pela paixão cega, não conseguem ou não querem entender.. mas, continuo 'achando' que minha 'infelicidade' não aconteceu.. já que a proposta é essa mesmo.. e sobre 'mídias', ok! você pode saber disso, mas a grande massa parece não saber.. portanto, questionar, problematizar, nunca é demais, quando se tem visão.. enfim... é preciso superar certas 'dores', para que as coisas tenham vida própria e não mera reprodução do que é criado para a indução.. por ex. final de semana saio nas noites e encontro muuuuitas pessoas que vem me falar dos textos e afins.. bater um papo.. então, gerar.. eis.. e não acomodar.. 'simples'!?

Anônimo disse...

HAHAHA mas olhe soh cara, vem me dizer de mídia massiva e não sei o que, de manipular as pessoas, mas me diz o que tu ta fazendo rapaz? O que a globo faz é manipular pensamentos, e você ta tentando fazer o mesmo... Manipular nossos pensamentos sobre o MMA!

Herman G. Silvani disse...

manipular 'seus pensamentos'? 'são' tão 'fracos' assim por se deixar levar?? não estou obrigando ninguém a nada companheiro.. mas a 'globo' sim, indiretamente, já que grande parte não percebe.. e está falando por quem? ('nossos pensamentos').. pelos 'outros'?? que a 'globo' manipula pensamentos EM TORNO do MMA, até concordo.. e já que estou me contrapondo, ou 'desconstruindo' essas 'verdades' globais, não estaria fazendo o oposto?? ai ai ai.. o que eu estou fazendo? ..se chama 'crônica' (estilo ou modo textual, literário e/ou crítico do cotidiano - baita exercício de linguagem e para aplicação de certo 'caos linguistico' - leia-se Hakim Bey).. além de trabalho (soma no meu rendimento mensal, já que a maioria dos textos são pagos, ou seja, escrevo para jornais).. além disso, contestando essas 'verdades' midiáticas que o 'grande irmão' (leia-se 1984, George Orwell) dita e policia.. questão de posicionamento.. ainda existem pessoas assim no mundo.. nem tudo é rebanho.. enfim.. no mas.. continuamos na 'luta'..